QUEBRA GELO da quarentena!

 

9AA847E0-FD8B-4201-A133-6D3045B9E9DA

Genteeeeeeeeeeennnn!

Não é miragem não! É um post novo no blog! (não creio!) SIM!!!! Ultimamente eles têm sido quase anuais (triste realidade), mas vou tentar mais uma vez retomar as coisas aqui e ver se agora o negócio engrena de vez!

Então…

Não sei quando você terá contato com esse post, quando irá ler o que vou escrever aqui, mas no momento (a constar, Julho de 2020) estamos entrando aqui onde moro, na cidade maravilhosa, no quarto mês de isolamento social por conta da pandemia de COVID-19. (#emcasameufilho!) Juro que se o capacitor de fluxo realmente funcionasse e eu pudesse entrar no DeLorean e voltasse alguns meses atrás pra encontrar com o meu “eu” do passado e contasse como seria essa bagaça, eu NÃO ACREDITARIA! Mas aqui estamos, lutando para sobreviver (literalmente), presos em casa numa rotina extenuante, com déficit de vitamina D (pela falta de sol), num nível de assepsia quase patológico, e tentando desesperadamente não surtar!

E o que caiu de paraquedas na casa dos professores na quarentena?

A tal aula online, para muitos (e eu me incluo nesse grupo) um tabu. Mas aconteceu que tivemos que nos adaptar presto prestíssimo a essa modalidade afim de continuarmos existindo! Então se você já chorou, se descabelou, se estressou, se cansou de ficar na frente do computador, tablet ou celular, de ter que aprender na marra a lidar com os programas, apps e plataformas de ensino online, de fazer altas gambiarras usando a tábua de passar roupa ao lado do piano e aqueles livros de autoajuda pra apoiar o celular só pro aluno poder ver as suas mãos no teclado, tudo isso com sinal de internet precário, eu digo: welcome to the jungle, baby! Tamojunto!!!

Mas se é difícil pra gente, não pense que está sendo mais fácil para nossos alunos!

Eles também estão tentando manter a sanidade em meio ao caos. Eu já tive alunos e pais de alunos que contraíram Covid (antes que você pergunte, estão todos bem agora! Graças aos céus). Mas como fica a cabeça de uma criança que tem o pai ou a mãe doente e isolado num comodo da casa por, pelo menos, duas semanas? Já os meus alunos idosos, por exemplo, sofrem muito com a solidão e a saudade da família. E o bombardeio de notícias ruins a toda hora, aliado as incertezas desse momento podem produzir um ambiente altamente tóxico, deixando pouco ou nenhum espaço para a aprendizagem, independente da idade. (E olha que nem entrei no caso dos que enfrentam problemas de ordem financeira e precisaram  descontinuar com as aulas!)

Não quero parecer excessivamente dramática, mas o momento é mesmo tenso e único. Para mim tem sido um desafio quase que diário manter uma boa energia para atender os alunos, quando eu mesma também enfrento as minhas próprias dificuldades do isolamento, mas fazer o que? Não sou só eu! Todos estamos no mesmo barco e se pudermos nos esforçar um pouquinho pra deixar o dia de outra pessoa mais leve, penso que já valeu a pena!

Seguindo essa linha de pensamento…

Bolei umas frases de quebra gelo para os alunos completarem. Então no início da aula, ao invés da pergunta clássica: “E aí, como estão as coisas?”, resolvi apresentar essas frases para que eles pudessem completar, todas elas relacionadas a esse momento de quarentena. O objetivo da atividade é ajudar nessa catarse coletiva e aprendermos juntos a aceitar e a conviver melhor com essa nova realidade.

E61FB893-D931-4E61-BDF7-2B436B5976B1

Mas Mirka, meu trabalho é dar aula de____________(complete aqui o nome do instrumento que você ensina)! Isso não tem nada a ver com ensino de música e  não tenho obrigação de ficar fazendo essas coisas na aula! Não, querido colega! Não tem mesmo, mas também não podemos dar a aula para nossos alunos num momento como esse fazendo de conta que a vida é um comercial de margarina! A situação, ao meu entender, requer que a gente dê um passo a frente, tenha empatia e tente melhorar um pouco a qualidade de vida da pessoa que está do outro lado da tela, seja ensinando piano/violino/canto ou usando 5 minutos da aula para descontrair e tirar um pouco o foco das preocupações do dia.

Quer fazer essa atividade com seus alunos? Okay! Então vou deixar o PDF pra você! É só clicar no link abaixo. A sugestão de como usar está num box azul no início do arquivo. Fique a vontade para compartilhar com outros colegas, só peço que faça referência de onde tirou dando o link do blog Mirka&Piano ou desse post. (Gracias!)                                                             D9A4EB42-E40E-454F-A9B2-F9DD145AB73C

PDF do Quebra Gelo da Quarentena!

Aviso aos navegantes:

Se você resolver usar, saiba que as respostas podem ser surpreendentes, engraçadíssimas e também muito emocionantes. Então, esteja preparado! E se achar apropriado, fique a vontade para compartilhar algumas delas aqui com a gente nos comentários, omitindo o nome do aluno, é claro.

Por hoje era isso! Nos vemos em breve!  Ate lá, muito álcool gel!!!!

FUI!!!

image

Jogo da Centopeia Musical!

Olá gente querida!

Demorou um pouquinho mas está aqui o primeiro post do nosso mês especial de jogos! (Finalmeeeeeente, Mirka!!!!!) E nada melhor do que inaugurar as publicações com um JOGO prontinho em PDF para baixar, imprimir e usar com os alunos, certo?!

Sim!!!!

Eu A-D-O-R-O usar jogos de tabuleiro com meus alunos porque são opções curingas e que podem servir para qualquer assunto que o professor queira trabalhar em aula! Pois bem, eu criei um que é SUPER adaptável a qualquer conteúdo, onde é possível escolher que elementos da escrita musical se pretende ensinar, reforçar ou fixar com os alunos. Dessa vez eu escolhi fazer com o tema de uma centopeia bem colorida!

image

A ideia é que o professor monte o seu próprio jogo, imprimindo o template e desenhando os símbolos musicais que gostaria de trabalhar com seus alunos dentro dos círculos coloridos da centopeia (que podem ser notas, figuras e pausas, sinais de dinâmicas ou articulações, células rítmicas, etc). Mas juntos com o arquivo em colorido incluí também uma opção em preto e branco para os alunos colorirem e criarem o seu jogo! Para ler as regras completas, baixar o PDF e começar a usar HOJE mesmo, clique no link abaixo!

Jogo da Centopeia Musical PDF – Clique AQUI!

Prefere ver um vídeo de como jogar? Então aguarde só mais um pouquinho. No próximo post vou compartilhar. Pode deixar!

Um ótimo ensino de música a todos!

image

 

 

Horários de Aula

Errata: A todos vocês que assinam esse blog e recebem as publicações por email  minhas mais sinceras desculpas porque no post de ontem houve falha na edição e deixei passar alguns erros de digitação. Para seu conforto, sugiro ler o post no site, onde já foi devidamente corrigido.

Para ler o post “A Clareza na Tarefa” Clique AQUI.

image

O post de hoje é coordenado com o do dia 24/5, quando compartilhei minha ideia de organizar o material das aulas separados por dias da semana em pastas coloridas.

image

Se você ainda não viu esse post sobre as pastas, clique AQUI!

Hoje gostaria de deixar com vocês dois arquivos com horários para imprimir e anotar as aulas da semana. Um dos arquivos fiz usando as mesmas cores das pastas, mas acrescentei o sábado, porque sei que alguns colegas podem também dar aulas nesse dia.

image

Horários de aula – Colorido – PDF

O outro arquivo é o mesmo esquema de horários, mas uma versão em preto e branco:

image

Horários de Aula – Preto de Branco – PDF

Um bom ensino de música/piano a todos,

Mirka.

 

A Clareza na Tarefa

 

 

.

image

Da Série: Socorro, meu aluno não estuda!

Minha luta eterna é fazer os alunos estudarem, e quando isso ocorre regularmente a minha luta torna-se fazer com que intensifiquem o tempo e a qualidade desse estudo! Mas confesso que é muito frustrante sair de uma ótima aula, onde você estuda junto com o aluno, mostra todo o passo a passo, e termina achando que ele compreendeu tudo e então chega a aula seguinte e você ouve a frase clássica no cancioneiro estudantil: “não entendi a tarefa”. É nessas horas que a gente conta até 1000, respira fundo, e diz calmamente: “ok, o que você não entendeu exatamente?”

Antigamente eu achava que era malandragem do aluno (e em alguns casos raros, ainda acho que é), mas obviamente tomei a responsabilidade para mim, afinal se ele não entendeu como estudar, há uma grande chance de eu não estar sendo clara na hora de passar o dever de casa, não é mesmo?

A partir dessa experiência, gostaria de sugerir 6 pontos baseados na minha observação e também com ideias do livro The Practice Revolution do Philip Johnston.

image

1. Anotar: não consigo conceber uma aula em que o aluno saia sem anotar nada do que ficou de tarefa! Uma semana é muito tempo e ele pode não lembrar. Mesmo que estude no dia seguinte, sempre há o risco de questões importantes se perderem. Então, como já compartilhei em um post anterior, eu uso uma agendinha específica para isso, onde anoto o dever de casa da semana! Mas qualquer cadernetinha, caderno, ou bloquinho que possa ser usado nas aulas já serve!

image

Se você ainda não viu o post sobre a agendinha, clique AQUI!

2. Escrever o suficiente: é muito importante ter um equilíbrio entre escrever coisas vagas e óbvias como “estudar” ou “estudar mais” e anotar com os mínimos detalhes numa “verborragia” medonha que vai fazer o aluno ter preguiça de ler, ficar desanimado com a quantidade de coisas a fazer e desistir logo de cara! O segredo é escrever o suficiente, usar palavras chaves, chamar a atenção para os pontos importantes anotados na própria partitura.

Abaixo segue um exemplo da tarefa de uma aluna de 7 anos. Como na página do livro já havia colocado muitas anotações do que ela deveria fazer, fui econômica na hora de escrever, apenas enfatizando a importância dela repetir determinado número de vezes (os pequenos não entendem muito bem a importância da repetição para o aprendizado e acham que tocando uma só vez está bom!)

image

image
3. Clareza: essa questão é essencial! Escrever com letra cursiva para alunos em séries iniciais que só entendem letra de forma, ou um garrancho que nem mesmo os alunos adultos entendem, pode ser um problema! A letra deve ser clara, legível e compatível com cada idade! Para as crianças, uso muitas cores, tento deixar o mais bonito, claro e objetivo possível! Os alunos adolescentes e adultos escrevem eles mesmos os pontos que ficam de tarefa! Isso ajudará a lembrar o que devem estudar, além de que escreverão de um jeito que eles mesmos entendem!
Abaixo tenho duas fotos de exemplos de anotações, a primeira é de uma aluna de 8 anos, escrito por mim e a segunda de uma de 13, escrito por ela mesma:

image

image

4. O momento da revisão: no final da aula SEMPRE eu dedico 1 minuto para revisar os pontos que ficaram de tarefa. Faço os alunos lerem o que eu escrevi e pergunto se ficou alguma dúvida, ou peço para eles lerem o que eles mesmos escreveram para ter certeza de que vão sair da aula seguros do que precisa ser trabalhado. O Philip Johnston chega a ter uma poltrona especial no estúdio dele que é a “Poltrona da Tarefa”. Os alunos não podem ir embora sem antes se sentarem lá e revisarem todos os pontos que devem ser estudados naquela semana!

5. Envolver os pais: para as crianças é MUITO importante envolver os pais! Eu geralmente tiro foto da página da tarefa e mando para eles por WhatsApp com a seguinte mensagem:

“Queridos pais, isso é o que a Maria precisa fazer essa semana para a aula de piano. Por favor, verifique se o estudo está acontecendo e, se possível, separe um tempo na sua agenda para sentar-se ao lado dela e ouví-la tocar! Muito obrigada por seu apoio! Isso faz toda a diferença nas nossas aulas.”

Não posso deixar de reforçar o quanto esse envolvimento da família é essencial! A diferença dos alunos em que os pais participam ativamente do aprendizado é gigantesca, comparado com aqueles em que a família pouco se importa e não há estrutura com horários e regras de estudo na casa! Aliás, esse é um dos meus pontos de corte na hora de selecionar novos alunos!

6. Estar à disposição: mesmo depois de tudo isso, dúvidas ainda podem surgir, nesse caso eu sempre deixo meu endereço de Skype disponível. Eu não vou ficar online o tempo todo (óbvio), mas eles sempre podem me mandar mensagens ou vídeos off-line e quando eu tenho algum tempinho durante o dia eu respondo para ajudá-los a continuar estudando corretamente. (sem ter que esperar uma semana inteira para isso!) Você pode pensar: “mas que absurdo, você já não trabalha o suficiente?” Bem, esse é um serviço extra que além de ajudar muito os alunos também justifica o valor das minhas aulas! 😉

Então acho que por hoje era isso! Se você tem outras estratégias na hora de deixar a tarefa e se certificar de que o aluno compreendeu bem o que precisa ser feito, por favor, compartilhe comigo e com os colegas que seguem esse blog! Adoraria ouvir suas ideias e sugestões! Preciso continuar aprendendo sempre!

Obrigada,

Mirka.